ETHIOPIAN AIRLINES: BANHEIROS SUJOS, AR DESLIGADO, DESCASO - 4 MIL DE DANOS MORAIS

advogado sorocaba são paulo sp companhia aerea ethiopian
G.S.D. voltava de viagem de Frankfurt para o Brasil. Numa escala no Rio de Janeiro o piloto informou que o aeroporto de São Paulo (GRU) estava fechado e que teriam de aguardar autorização para decolagem. Por cerca de a autora teve de esperar por cerca de três horas. Era noite e o ar condicionado foi desligado, gerando um calor insuportável. Não havia água nem comida. Os banheiros estavam sujos e o papel higiênico acabou. Os funcionários travavam com descaso os passageiros que reclamavam do caos. 

Em entrevista coletiva o advogado Claudio Dias Batista, que atua em defesa da consumidora explica que a decisão considerou que houve má-prestação de serviço. "A indenização foi fixada em patamar baixo, se comparado à outras decisões. Falamos com nossa cliente e, mesmo assim, ela não quer recorrer da decisão", diz Dias Batista. 

O advogado explica ainda que problemas deste tipo são muito comuns. "A maioria das pessoas não reclama e muito menos procura seu direito", explica ainda o advogado. Segundo ele a omissão dos passageiros em exigir seus direitos acaba dando a sensação de impunidade, o que faz com que as empresas aéreas persistam em não atender adequadamente seus passageiros. Da decisão ainda cabe recurso. O processo recebeu o número 1003410-67.2015.8.26.0602. Da decisão ainda cabe recurso.